NOTA: Qualquer pessoa que se sinta ofendida pelos conteudos /opiniões aqui expostos deve demonstrá-lo para o email abaixo indicado. Os comentários estão abertos com a devida moderação e os artigos a publicar neste BLOG devem ser enviados para o email:
vozeslivresmacao@sapo.pt
Visitantes Online
Terça-feira, 14 de Março de 2006

Internacionalização da Marca

presunto.jpg


Os industriais de carnes de Mação querem certificar os presuntos e enchidos da região, para conquistar novos mercados e enfrentar a concorrência estrangeira. A produção do concelho representa 70 por cento do total nacional.


O objectivo é reforçar a posição no mercado nacional com “um produto de excelência” e partir à conquista de novas oportunidades de negócio, em países até agora pouco explorados, como os da “Europa do Norte, os PALOP e o Brasil”, refere Fernando Monteiro, porta-voz dos empresários.


Acarinhada e incentivada pela Câmara Municipal, a cura do presunto é uma tradição secular em Mação e um dos principais sectores de actividade do município. Agora é preciso apostar na união e na certificação, por forma a atingir outros patamares.


Para começar, os industriais formaram uma associação. O passo seguinte será dado com a criação de uma imagem de marca. “Os parâmetros de qualidade estão definidos. Falta determinar a marca, o logotipo e começar a fazer passar a mensagem”, adianta Saldanha Rocha, presidente do município.


De acordo com o autarca, os industriais de carnes de Mação “importam todos os anos oito mil toneladas de perna para curar” e facturam perto de 40 milhões de euros.


Nos enchidos, além do paio do lombo, do paínho e da morcela, destaca-se o maranho. “É o concelho que mais quilos de maranhos produz.”


Saldanha Rocha não tem dúvidas quanto à qualidade destes produtos. No entanto, está consciente das exigências do mercado global e empenhado em ajudar os empresários a afirmarem-se pela via da qualidade. “Vamos convidar entidades credíveis para nos ajudarem e espero que o processo de certificação esteja concluído até ao final do ano”, concluiu o autarca.


ESPANHÓIS ENSINAM AS TÉCNICAS


A indústria de transformação de carnes emprega perto de 300 pessoas no concelho de Mação, que estão distribuídas pelas nove principais empresas. Cinco são grandes empresas, duas médias e duas são pequenas, informou o presidente da Câmara Municipal, Saldanha Rocha. Para os auxiliar no aperfeiçoamento do processo de produção de presunto, a autarquia promoveu uma visita a Guijuelo, uma localidade espanhola que vive essencialmente deste tipo de actividade. “Foi importante ver como eles trabalham, como se organizam e a forma como fazem a certificação e a divulgação do produto”, disse Fernando Monteiro, veterinário municipal e porta-voz dos industriais de Mação.


O presunto de Guijuelo tem Denominação de Origem desde 1986 e é produzido por 72 empresas certificadas. Segundo Fernando Monteiro, só esta região produz “30 a 40 vezes mais presunto que Portugal inteiro”.


Francisco Pedro, Leiria (Correio da Manhã)


 


Produtos Tradicionais Portugueses - Produção e comercialização


Os produtos tradicionais portugueses respondem a todos os requisitos actualmente colocados pelos consumidores, mantendo-se orgulhosamente fiéis às matérias-primas e aos ingredientes e auxiliares que lhes reforçam sabores e aromas. E, não obstante, verificarem-se adaptações nos processos de fabrico - perfeitamente aceitáveis, senão desejáveis - os produtos tradicionais portugueses têm a vindo a granjear tal reputação que são mesmo conhecidos pelos seus nomes.


Os produtos tradicionais portugueses respondem, a todos os quesitos actualmente colocados pelos consumidores, porquanto: têm uma origem conhecida e comprovável, não só pelas indicações constantes da rotulagem, mas também através do sistema de controlo apropriado a que se sujeitam; têm uma “qualidade” específica, diferenciada e ligada à sua origem geográfica e ao saber fazer tradicional que, a muitos deles, já permitiu o reconhecimento nacional e comunitário; as suas características sensoriais (gosto, aroma, textura, suculência, tenrura, etc.) afastam-se absolutamente dos produtos correntes no mercado globalizado, onde todos os produtos correspondem a padrões “mundiais”, tentando agradar a um consumidor-padrão, que ninguém sabe quem é nem quem representa; as matérias-primas com que são produzidos são obtidas a partir de raças e variedades autóctones ou, pelo menos, muito bem adaptadas região de produção, o que assegura não só o respeito pela biodiversidade mas, também, o respeito pelas boas práticas agrícolas, sustento e protecção de um ambiente saudável; os ingredientes usados são todos eles naturais e as técnicas de produção são as ancestrais, desde a alimentação e maneio dos animais, até às operações tecnológicas de corte, salga, fermentação, cura, fumagem, secagem ao ar ou ao sol, conhecidas e usadas desde tempos imemoriais; são objecto de acções específicas de controlo em todas as fases do seu ciclo produtivo, desde as matérias-primas até aos locais de venda, passando pelos circuitos de transporte, armazenagem, fabrico, maturação ou pelas fase de ordenha, abate, desmancha, acondicionamento, etc., consoante o necessário para verificar o cumprimento integral das disposições do respectivo Caderno de Especificações, cuja análise e aceitação estiveram na base do reconhecimento de seu nome e respectiva protecção jurídica; São seguros, na medida em que desde há séculos uns, há dezenas de anos outros, se mantêm no mercado, agradando aos seus consumidores e contribuindo para uma alimentação sã e equilibrada. Mas, e muito curiosamente, os produtos tradicionais portugueses mantêm-se orgulhosamente fiéis às matérias-primas e aos ingredientes e auxiliares que lhes reforçam sabores e aromas, citando-se como exemplo, o uso em doses “imoderadas”: Para os queijos, do leite cru – sempre que possível, das raças autóctones - e do cardo ou do coalho animal; para os enchidos e presuntos, da carne de porco alentejano ou a carne de porco bísaro, do alho, da massa de pimentão ou do colorau e do vinho- branco ou tinto, consoante os usos. Alegremente combinados com o uso de tripa natural para os enchidos e ensacados e com as lenhas de azinho e oliveira, fornecedoras de uma fumagem lenta e cuidadora, proporcionadora de aromas únicos e ancestrais; para os azeites, das variedades tradicionais portuguesas, como a Galega, a Verdeal, a Cordovil, a Cobrançosa, a Lentisca, a Verdeal Transmontana e a Madural, que estão na base da sua tipicidade e dos seus “gostos” genuínos; para as frutas, das variedades autóctones ou muito bem adaptadas, sendo exemplo das primeiras a Rocha para as pêras do Oeste e Esmolfe para as maçãs.


“velhos produtos” e “modernas técnicas”


No entanto também se verificam adaptações nos processos de fabrico, que permitem sobretudo minorar a penosidade de certas tarefas ou aumentar a vida útil dos produtos. Como exemplo, podem ser referidas a colheita e a ordenha mecânica, prensagem de queijos, o corte mecânico de carnes, a conservação prolongada pelo frio, a apresentação de queijos e produtos à base de carne em pedaços ou fatiados, desde que pré-embalados na origem, etc. Estas e outras adaptações são perfeitamente aceitáveis, senão mesmo desejáveis.


O seu limite é a manutenção da genuinidade dos produtos. Enquanto não forem alteradas os processos e os ingredientes que, de facto, contribuem para a especificidade e tipicidade dos produtos, é desejável a modernização dos processos produtivos. Mas, curiosamente, também noutras áreas se verifica a compatibilidade possível entre os “velhos produtos” e as “modernas técnicas”. Siglas e referências como HACCP, ISO 9000, EN 45 011 e outras, acreditação, certificação de empresas, etc., etc., começam a ser linguagem corrente entre o mundo dos tradicionais. E não nos deveríamos espantar com tal já que estamos a falar de produtores com uma enorme experiência produtiva que, senão tivessem as suas empresas organizadas, os seus sistemas da qualidade implementados, os seus provadores credenciados, os seus fornecedores de matérias-primas e serviços acreditados, as suas técnicas para evitar os pontos críticos nas suas empresas, não teriam subsistido ao longo dos tempos.... com os resultados que ainda hoje estão à vista, com milhares de clientes fidelizados. Questão diferente é serem capazes de evidenciar toda esta parafernália de sistemas, técnicas e documentações de suporte para contentamento de algumas regulamentações, quanto vezes desajustadas das realidades e dimensões das nossas pequenas empresas. Mas não devemos dúvidas sobre a capacidade humana e a persistência dos nossos produtores. Quem produz com qualidade e segurança, saberá sempre agradar aos consumidores e evidenciará que a qualidade e a segurança não acontecem por acaso, mas que resultam sempre de um trabalho inteligente. É esta a razão pela qual, ao longo de décadas, senão mesmo de séculos, pela forma local, leal e constante com que são produzidos, os Produtos tradicionais Portugueses têm vindo a granjear tal reputação que são mesmo conhecidos pelos seus nomes, já actualmente com estatuto europeu de protecção Este estatuto europeu não se consegue sem grande esforço e sem demonstrar, de facto, que por detrás de cada nome (geográfico, ou assimilado), está um produto: que tem uma produção real e efectiva (embora a quantidade não seja relevante); que tem uma história, uma reputação e uma notoriedade; que tem modos de produção locais, leais e constantes ao longo dos tempos; que tem características qualitativas intrinsecamente ligadas à região ou local onde tem a sua origem; ou, que tem reputação ou qualidades atribuíveis a tal origem geográfica.


Face ao exposto, julgo ser fácil deduzir que a protecção de um nome geográfico: não estão ao alcance de qualquer produto, só pelo facto de ser produzido num dado local; não é “atribuída”, sendo, pelo contrario, apenas formalmente reconhecidas, já que o seu uso constitui uma prática corrente e um dado histórico; não resulta de uma estratégia comercial (por tantos hoje tentada), de adicionar indevidamente ao nome do produto, o nome da terra onde é fabricado, confundindo o consumidor.


Pese embora o facto de, ao nível da legislação em vigor, os nomes de diversos Produtos Tradicionais Portugueses estarem protegidos contra as utilizações abusivas, contra a concorrência desleal e contra a exploração da sua reputação, o que é facto é que ainda se assiste a toda uma série de atropelos, não tanto contra os nomes protegidos mas contra o consumidor, fazendo-o crer que produtos sem quaisquer características de qualidade ligadas a uma origem ou a um modo de produção, são dos “bons”, dos “legítimos”, dos “verdadeiros”. O uso imoderado de nomes geográficos em produtos que nada têm a ver com a região onde são meramente fabricados, de qualificativos sonoros como “fumeiro tradicional”, “produto caseiro”, “receita da avó”, “tipo alentejano”, “tipo beirão” , “serrano”, “especialidade típica”, “produto tradicional” etc., são práticas comerciais quase sempre abusivas, que lesam produtores e consumidores. Para tentarem marcar uma diferença nítida em relação aos “falsos produtos tradicionais”, os legítimos Produtos Tradicionais Portugueses apresentam-se comercialmente: devidamente rotulados, indicando explicitamente o Nome e a Denominação a que têm direito (DOP ou IGP); com uma marca de certificação, numerada, que garante que o produto foi submetido a uma sistema de controlo ao longo da sua fileira produtiva e que pode ser rastreado até à sua origem; com o logotipo comunitário (cujo uso é, no entanto, facultativo) que pode, apenas, ser utilizado pelos produtores expressamente autorizados para o efeito.


Ana Soeiro


IDRHa


 

Publicado por vozeslivresmacao às 14:16
| Comentar | Adicionar aos favoritos
|

Contacto:

Vozes Livres Mação

Cria o teu cartão de visita

Pesquisar neste blog

 

Abril 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

Posts recentes

Cá se fazem, Cá se pagam!...

a boy for all seasons

Pedro Passos Coelho "o fa...

Banalidades do Correio da...

Vater Marques na Rede Nac...

Judiciária investiga uso ...

Posto de Vigia 74 - Outub...

Posto de Vigia de Setembr...

João Pereira reclama vari...

Ponto de Vigia - Julho/20...

EDP CONTINUA A MANTER NA ...

EIS O QUE ESTE NOVO PSD N...

PONTO DE VIGIA - JUNHO

MAÇÃO . VACARIA VIRA GALE...

CARDIGOS.JUNHO DE 1966 . ...

POSTO DE VIGIA

CONVÍVIOS COM VIDA DENTRO...

MAÇÃO E O BREJO QUE NÃO V...

OBRIGADO,ÉVORA ! SEM PALA...

AS VOLTAS DE UMA RENUNCIA...

QUEM QUER VIR A ÉVORA DE ...

ÁGUA POR FAVOR

"JAZ MORTO, E APODRECE"

SALDANHA ROCHA E CAMÂRA M...

Ponto de vigia Abril 2...

EURICO BRITO LOPES

DE ENCERRAMENTO EM ENCERR...

MAÇÃO - VALENÇA DO MINHO

UMA DAS CONDIÇÕES PARA QU...

Posto de Vigia

Arquivos

Abril 2013

Dezembro 2011

Abril 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

tags

todas as tags

Links

Participar

Participe neste blog

subscrever feeds

blogs SAPO