NOTA: Qualquer pessoa que se sinta ofendida pelos conteudos /opiniões aqui expostos deve demonstrá-lo para o email abaixo indicado. Os comentários estão abertos com a devida moderação e os artigos a publicar neste BLOG devem ser enviados para o email:
vozeslivresmacao@sapo.pt
Visitantes Online
Quarta-feira, 26 de Setembro de 2007

Quem deve, teme?

1. Em democracia, a política é uma actividade essencialmente polémica – «controversa, dialética, objecto de debate constante. Isto é natural e é saudável » (Amaral : 2007[1]). Portanto, não há nada pior para uma Câmara Municipal do que uma Oposição inexistente, ou mole, ou sem ideias alternativas.

Em Mação, no presente mandato, a Oposição nos órgãos autárquicos, é tudo menos passiva. É activa na fiscalização política, construtiva e determinada pela transparência.

Os eleitores revêm-se numa Oposição de voz activa. Os eleitores querem percepcionar Oposição e Maioria como coisas diferentes. Acontece porém, que a Maioria na autarquia já não estava habituada a uma Oposição com personalidade. Fomenta-se pois o ódio (de estimação nalguns casos) e a perseguição. Dá-se corpo à velha máxima, « se não és por mim, és contra mim ! » A Maioria não gosta quando se bate o pé, se discorda e se denuncia. O seu mundo é ainda o mundo da vénia, do temor e da ameaça. São 30 anos de monopólio político, 30 anos em que o hábito é gerir a coisa pública como se de coisa privada se tratasse. Reage-se à adversidade política « chutando para canto ». É como quem diz, a Maioria desvaloriza, empata, vitimiza-se e encontra refúgio na explicação de que tudo é feito em nome dos superiores interesses de concelho. O Povo, esse, só lhe restará agradecer esta dádiva divina. Em silêncio, sem protesto de preferência. Na falta de argumentos superiores, invoca-se finalmente, o « protagonismo » de alguns membros da Oposição socialista para tudo justificar.

Diz o povo que « cego é aquele que não quer ver ». A Maioria, vê cada vez menos. Não se dá conta da sua cegueira congénita. Por isso, não explica o que deve explicar, não reage como deve reagir, actua em sintonia de quem tem algo a temer. Quem não deve, não teme ! Quem não teme, não esconde ! Quem não deve, não protela !

Ora, nestes últimos meses, o que tem acontecido com o Senhor Presidente Saldanha Rocha e os seus vereadores, é precisamente o oposto: há medo, há opacidade e adiamentos.

 

 

2. De que tem medo, Senhor Presidente?

 

-          De que se aprecie publicamente operações urbanísticas tais como o Outeiro da Forca, Vinha da Ponte, Atoleiros e São Miguel?

-          De que se conheça o valor dos montantes atribuídos a titulo de subsídio à associação AFLOMAÇÃO de que cuja Direcção fazem parte membros do executivo camarário, do gabinete do presidente e funcionários da autarquia?

-          De que se indague pelo conteúdo dos contratos feitos com familiares directos do Presidente, dos seus montantes e dos procedimentos administrativos que lhes deram lugar?

-          De que se saiba qual o montante de ajudas de custo, senhas de presença, subsídio de transporte e despesas de representação que auferiram o Presidente e os Vereadores no presente mandato e no anterior?

-          De que se solicite explicações para autos de medição a certificar trabalhos que não se encontram sequer iniciados ? Ou informação quanto à aprovação de « trabalhos a mais » quando os « iniciais » da mesma empreitada não se encontravam executados ?

-          De que se questione por que é que na Câmara, e em que condições, se autorizam construções em locais onde o regime jurídico do uso do solo tal impede (Carvoeiro) ?

-          De que se peça informação sobre o concurso da central de Biomassa ou a situação actual da revisão do Plano Director Municipal ?

-          De que se saiba exactamente quantos funcionários tem hoje a autarquia, qual o natureza do vínculo e como se tem dado cumprimento ao preceituado na lei em matéria de promoção e progressão nas respectivas carreiras ?

-          De que se interrogue sobre qual o património móvel e imóvel da Câmara ? Quanto custa a construção e a manutenção das piscinas ou a realização da Feira Mostra ou do Mação Total?

 

São estes os requerimentos/pedidos de informação da parte dos vereadores e dos membros da Assembleia Municipal que tanto o incomodam ? Ou são antes as respostas a que os mesmos o obrigam ?

São estas questões que estiveram na origem da sua intempestiva decisão de suspender as respostas aos requerimentos, alegando « fúria requerimental », pedir ajuda à CCDR (Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional) do Centro) e vir para os jornais invocar que a acção de dois vogais da Assembleia Municipal estava a paralisar o município. Alguém de bom senso poderá acreditar que os serviços da Câmara paralisam com um conjunto de perguntas e uma centena de fotocópias? Paralisia, se houver, é por inépcia da equipa política da Câmara, e não de uma Oposição que existe para questionar e contraditar informada.

Estranho é que esta « manobra » surga quando vão apresentados 23 requerimentos, e não, como deveria ter acontecido, antes da resposta ao primeiro, datado já de Junho de 2006. Estranho é que tal aconteça quando 11 requerimentos se encontram já, total ou parcialmente, respondidos. Estranho é que nas reuniões dos órgãos, com a sua aquiescência, vereadores tenham prmetido responder, ainda que muito para além dos prazos legais, para dias depois V.Exa o negar por escrito .

Incoerência ou medo ?

Paradoxal é que o Presidente da Câmara tenha começado o seu mandato, dizendo: "Aos membros da Assembleia Municipal os votos de um excelente trabalho, para um órgão que se quer interventivo, colaborante e naturalmente fiscalizador da actuação da Câmara, para o qual não deixaremos de estar disponíveis para que possam desempenhar cabalmente as funções que legalmente lhes compete. "

Estranho é que no recente caso do pagamento dos trabalhos de uma empreitada, se tenha constatado afinal que o Vereador José Fernando não ensadeceu, um inquérito interno não foi aberto e nenhuma explicação pública plausível foi prestada. Está portanto por responder, sem rodeios, à forma como a CM deu cumprimento a vários preceitos do Regime Jurídico das Empreitadas de Obras Públicas. Aliás, interpelação certeira que já lhe foi dirigida por outros munícipes. A situação é grave porque configura a prática vários ilícitos : criminais e administrativos.

Permanecendo o seu silêncio, só resta à Oposição, remeter para o Ministério Público e Polícia Judiciária, os documentos em nossa posse e as dúvidas que daí resultam em matéria de legalidade. De igual modo, outra atitude não pudemos ter relativamente à questionável participação do senhor vereador António Louro em decisões e actos administrativos de que o beneficiam enquanto Presidente da Aflomação. Agora, competirá portanto, ao Ministério Público, apreciar os factos expostos à luz da Lei e do direito aplicável, competindo-lhe  aferir da aplicação ou não da sanção máxima prevista na Lei : a perda de mandato.

O juízo político e ético a nós pertence. Esse fica aqui publicamente manifestado. O juízo legal, compete aos Tribunais e à Justiça, em quem aliás sempre confiámos, aguardando serenamente o seu veredicto. Aquilo que se nos exigia à luz da Lei e da Ética política está feito. Em nosso entender, a Oposição séria e responsável, também se faz assim.

João Paulo Almeida

[1] Este artigo de opinião é uma vez mais, atento o seu conteúdo, um exercício de co-autoria com Luís Sérgio Silva. O que lhe dá causa, resulta da acção política diária dos vereadores do PS e dos seus membros da Assembleia Municipal, na qual aliás estamos todos militantemente empenhados muito para além de qualquer redutora filiação partidária.

[1] Diogo Freitas do Amaral, “15 meses no Ministério dos Negócios Estrangeiros”, Almedina, 2007, pág. 105.

 

Publicado por vozeslivresmacao às 05:54
| Comentar | Adicionar aos favoritos
|

Contacto:

Vozes Livres Mação

Cria o teu cartão de visita

Pesquisar neste blog

 

Abril 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

Posts recentes

Cá se fazem, Cá se pagam!...

a boy for all seasons

Pedro Passos Coelho "o fa...

Banalidades do Correio da...

Vater Marques na Rede Nac...

Judiciária investiga uso ...

Posto de Vigia 74 - Outub...

Posto de Vigia de Setembr...

João Pereira reclama vari...

Ponto de Vigia - Julho/20...

EDP CONTINUA A MANTER NA ...

EIS O QUE ESTE NOVO PSD N...

PONTO DE VIGIA - JUNHO

MAÇÃO . VACARIA VIRA GALE...

CARDIGOS.JUNHO DE 1966 . ...

POSTO DE VIGIA

CONVÍVIOS COM VIDA DENTRO...

MAÇÃO E O BREJO QUE NÃO V...

OBRIGADO,ÉVORA ! SEM PALA...

AS VOLTAS DE UMA RENUNCIA...

QUEM QUER VIR A ÉVORA DE ...

ÁGUA POR FAVOR

"JAZ MORTO, E APODRECE"

SALDANHA ROCHA E CAMÂRA M...

Ponto de vigia Abril 2...

EURICO BRITO LOPES

DE ENCERRAMENTO EM ENCERR...

MAÇÃO - VALENÇA DO MINHO

UMA DAS CONDIÇÕES PARA QU...

Posto de Vigia

Arquivos

Abril 2013

Dezembro 2011

Abril 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

tags

todas as tags

Links

Participar

Participe neste blog

subscrever feeds

blogs SAPO